Pular para o conteúdo principal

Dívida

Ah, como eu queria te encontrar outra vez
Para aniquilar a dívida de encorajem que cometí contra ti.
Certamente minha face sorriria
E esse poema, em lágrimas, não iniciaria.

Seria encorajem ou medo de se entregar?
Seria insegurança ou receio de se arriscar?

O meu silêncio denuncia meu desejo de te querer,
De te amar.


                                                               ( 06.07.2010 / Jêh Niz )

Comentários

  1. ... Bem, ruim é quando a dívida existe porque não querem receber o pagamento.

    Ademais, todos são ruins. Desencontros são ruins. O que falha é ruim.

    Gostei do texto menina, rs.
    Continue escrevendo. Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Lukita, obg pelo comentário que enriquece ainda mais essa postagem. beijin ;*

    ResponderExcluir
  3. Se estas dividida, pede ao tempo que lhe mude a rotina e lhe faça perceber que não há divisão mais amarga do que impor ao coração que decida se entrega ou se rejeita !


    ameei o blog, comentaa o meeu tbm...

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela dica Dayse
    Volte sempre aqui!
    bjin ;*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

E o que você diz?

Postagens mais visitadas deste blog

Deficiência humana

Não, o amor não é cego.
   Ele por si só enxerga verdades: a necessidade de habitar em nós para existir.
   Ele é autónomo, mas não é auto-existente: precisa de nós para ser, de fato, amor.
  O homem é cego por atribuir ao amor sua própria deficiência.


Olhos que mal enxergam o mundo

Eu vejo o que os olhos alheios insistem
Em não querer ver.
Eu vejo o ruído da dor.
Eu vejo o mundo emudecer
Por querer ter a Tudo
Ao invés de ser.

Vejo a tarde que parte,
O frio que invade,
O tempo que bate em minha porta
Apressando o Tudo a se findar.

Os seus olhos veem aquilo que eles querem ver
Eles mal enxergam o mundo, inclusive a você.



Guarde a última lágrima

Se eu chorar
guarde a última lágrima,
junte meus cacos,
pois no envolto do seus braços encontro paz.

Se eu chamar-te
ignore-me a palavra
e o meu pedido de socorro
não seja agradável aos teus ouvidos.

Porque eu te quero
e, após algum tempo, deixo de te querer.
Porque és abrigo e tormenta.
Porque estou ao teu lado e não posso te ter.