Pular para o conteúdo principal

Um gosto amargo




O que ela mais temia lhe sobreveio.
A solidão não poupou os meios de sentir-se só.
A vida, agora, é em função dos seus pensamentos:
Síntese de tristeza e dor.
Nem o tempo é capaz de curar a sua ferida,
Pois ele mesmo é o maior causador.
O passar do tempo petrifica seu coração
E produz um gosto, um gosto amargo.

Cansou de ser só,
Tão somente só
Consigo mesma

Comentários

  1. As vezes o tempo não cura mesmo, só perpetua a dor, de maneira diferente do que nos momentos que a sucedeu, mas como uma doença incurável, permanece lá.

    ResponderExcluir
  2. solidão...
    uma dádiva para alguns
    um mártir para outros...

    sim pq mata-la seria loucura
    mas cria-la é suicídio...

    o que fazer com ela intão?

    imprima em muitas folhas mas com letras pequenas, para que só vc leia.
    a solidão é egoísta.
    professora dos que amam
    algoz dos que se apaixonam.
    essa é a solidão..
    ou pelo menos acho q seja...

    ResponderExcluir
  3. meus queridos, assim vocês me arrebatam *-*

    ResponderExcluir
  4. Retribuo a gentileza de seu comentário.
    Gostei muito de seus poemas, visto que exprimem uma verdade ímpar, uma sentimento nas palavras e letras, cuidadosamente escolhidas.
    Acredite, sou rigoroso para com escritores atuais. Você, no entanto, conseguiu que eu gostasse.
    Parabéns!
    Hélio

    ResponderExcluir
  5. Ô, que doçura!
    Obrigada pela delicadeza.
    Se vem de você, sinto-me honrada :)
    bjin ;*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

E o que você diz?

Postagens mais visitadas deste blog

Deficiência humana

Não, o amor não é cego.
   Ele por si só enxerga verdades: a necessidade de habitar em nós para existir.
   Ele é autónomo, mas não é auto-existente: precisa de nós para ser, de fato, amor.
  O homem é cego por atribuir ao amor sua própria deficiência.


Olhos que mal enxergam o mundo

Eu vejo o que os olhos alheios insistem
Em não querer ver.
Eu vejo o ruído da dor.
Eu vejo o mundo emudecer
Por querer ter a Tudo
Ao invés de ser.

Vejo a tarde que parte,
O frio que invade,
O tempo que bate em minha porta
Apressando o Tudo a se findar.

Os seus olhos veem aquilo que eles querem ver
Eles mal enxergam o mundo, inclusive a você.



Guarde a última lágrima

Se eu chorar
guarde a última lágrima,
junte meus cacos,
pois no envolto do seus braços encontro paz.

Se eu chamar-te
ignore-me a palavra
e o meu pedido de socorro
não seja agradável aos teus ouvidos.

Porque eu te quero
e, após algum tempo, deixo de te querer.
Porque és abrigo e tormenta.
Porque estou ao teu lado e não posso te ter.