Pular para o conteúdo principal

Justificando o substantitvo



Saudação caro amigo e futuro fiel leitor,

Inicialmente quero falar-lhe sobre o que levou-me a fazer este blog: minha simpatia pelas palavras.
Quem dera eu ter a vocação de saber usá-las. Afinal, é impossível ter o total domínio sobre elas, pois são as palavras, seja ela escrita ou falada, que dominam e movem o ser humano.
Tratarei agora de justificar o substantivo.
De uma vasta galeria de nomes, a escolha de um adjetivo. Por quê? Para intensificar a particularidade dos fatos comuns do cotidiano, tornando-os incomuns para a formação de um cenário reflexivo sobre as coisas simples da vida.




Obrigada pela visita. Volte sempre!
Abraço.

Comentários

  1. essa simpática com as palavras tem um ton harmonioso ^^
    Se vc diz q ñ tem vocação para saber usar, então sua teimosia está caminhando muii bem!
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  2. (risos infinitos)
    Vai saber até onde essa teimosia vai chegar!
    Se eu conseguir transmitir como você, creio que estarei em um bom caminho.
    beijin ^^

    ResponderExcluir

Postar um comentário

E o que você diz?

Postagens mais visitadas deste blog

Deficiência humana

Não, o amor não é cego.
   Ele por si só enxerga verdades: a necessidade de habitar em nós para existir.
   Ele é autónomo, mas não é auto-existente: precisa de nós para ser, de fato, amor.
  O homem é cego por atribuir ao amor sua própria deficiência.


Olhos que mal enxergam o mundo

Eu vejo o que os olhos alheios insistem
Em não querer ver.
Eu vejo o ruído da dor.
Eu vejo o mundo emudecer
Por querer ter a Tudo
Ao invés de ser.

Vejo a tarde que parte,
O frio que invade,
O tempo que bate em minha porta
Apressando o Tudo a se findar.

Os seus olhos veem aquilo que eles querem ver
Eles mal enxergam o mundo, inclusive a você.



Guarde a última lágrima

Se eu chorar
guarde a última lágrima,
junte meus cacos,
pois no envolto do seus braços encontro paz.

Se eu chamar-te
ignore-me a palavra
e o meu pedido de socorro
não seja agradável aos teus ouvidos.

Porque eu te quero
e, após algum tempo, deixo de te querer.
Porque és abrigo e tormenta.
Porque estou ao teu lado e não posso te ter.