Pular para o conteúdo principal

Quase um soneto

Tanto tempo que não escrevo nada por aqui.
Que tal falar sobre isso? Sobre o tempo?
Intensificando a particularidade dos fatos sobre o TEMPO





Quase um soneto


Palavras curtas
Mente incerta
Basta-me a criatividade,
Mas nem isso me resta.

Negociar com o tempo
Para dar um tempo
E, assim, libertar-me dessa prisão
Que condiciona-me a esperar.

O tempo é dono de si
Não espera o ir nem o vir
Não questiona se desejo assim.

Apenas dois versos para um soneto se ter,
Mas o tempo não o quer ...

( 20/01/2011 às 12:30 hr )

Comentários

  1. Tantas verdades em tão poucas palavras... Se torna indispensável até mesmo as vírgulas.

    "O tempo não espera", taí a principal razão de termos que nos mover.

    Diz uma letra de Reação em Cadeia que "esperar é a fraqueza de todos os mortais"... E talvez esteja certo.

    ResponderExcluir
  2. Uma leve sensação de estar coagido.

    Se queremos rapidez, ele nos deixa ansiedade. Se queremos estagnar, nos arrasta...

    Tempo: o vilão mocinho.

    Parabéns. ^^

    ResponderExcluir
  3. Ah, e esqueci de dizer.
    Ótimo texto colega, como todos os outros teus.
    Ainda vai haver tempo pra nós, huahua.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Menine, amei seus escritos. Te sigo com certeza
    ai esta o meu.

    Paz e bons textos pla frente!

    http://carollinaprestes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. parabens com esses poemas
    gostei parabens

    Alexandre candido

    ResponderExcluir

Postar um comentário

E o que você diz?

Postagens mais visitadas deste blog

Deficiência humana

Não, o amor não é cego.
   Ele por si só enxerga verdades: a necessidade de habitar em nós para existir.
   Ele é autónomo, mas não é auto-existente: precisa de nós para ser, de fato, amor.
  O homem é cego por atribuir ao amor sua própria deficiência.


Olhos que mal enxergam o mundo

Eu vejo o que os olhos alheios insistem
Em não querer ver.
Eu vejo o ruído da dor.
Eu vejo o mundo emudecer
Por querer ter a Tudo
Ao invés de ser.

Vejo a tarde que parte,
O frio que invade,
O tempo que bate em minha porta
Apressando o Tudo a se findar.

Os seus olhos veem aquilo que eles querem ver
Eles mal enxergam o mundo, inclusive a você.



Guarde a última lágrima

Se eu chorar
guarde a última lágrima,
junte meus cacos,
pois no envolto do seus braços encontro paz.

Se eu chamar-te
ignore-me a palavra
e o meu pedido de socorro
não seja agradável aos teus ouvidos.

Porque eu te quero
e, após algum tempo, deixo de te querer.
Porque és abrigo e tormenta.
Porque estou ao teu lado e não posso te ter.