Pular para o conteúdo principal

Retalhos me levaram a você





Pra quê remoer o passado?
O passado pertence ao passado.
Nós nos conjugamos no presente.
No presente, fazemos nossa morada.

Você funciona como adjunto:
Acompanha meu nome, obedece-me a minha flexão.
Eu funciono como artigo:
Na tua frente definindo quem tu és.

Na voz reflexiva representamos nosso amor.
Porque o ontem foi como retalhos
Que se consturaram a outros formando uma ponte
Para chegar ao que somos agora.

Reparar os retalhos do passado?
De nada importa se eles me fizeram chegar até você.

Comentários

  1. olá..
    vim agradecer a visita e carinho..
    conhecer tudo por aki..
    gostei imenso..
    beijos perfumados..

    ResponderExcluir
  2. Olá

    Agradeço me visitar.

    Gosto do seu superlativo, bastante.

    E de acordo, não vamos emendar retalhos passados,
    vivamos o presente
    esse é real!

    Um beijo,

    Maria luísa

    ResponderExcluir
  3. + 1 x parabéns!

    É muito bom saber que existe uma jovem tão distante da multidão das palavras pequenas e palavrões. Apaixonada e correspondida pela poesia dos vivos sentimentos.

    Aroldo Bonfanti.

    ResponderExcluir
  4. Manda muito bem no português, cara. Vai ser professora, rs.

    Jêh, parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Eu posso passar mt tempo sem aparecer por aqui, mas toda vez que venho me surpreendo ainda mais contigo.

    Perfeito tudo que vc escreveu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

E o que você diz?

Postagens mais visitadas deste blog

Deficiência humana

Não, o amor não é cego.
   Ele por si só enxerga verdades: a necessidade de habitar em nós para existir.
   Ele é autónomo, mas não é auto-existente: precisa de nós para ser, de fato, amor.
  O homem é cego por atribuir ao amor sua própria deficiência.


Olhos que mal enxergam o mundo

Eu vejo o que os olhos alheios insistem
Em não querer ver.
Eu vejo o ruído da dor.
Eu vejo o mundo emudecer
Por querer ter a Tudo
Ao invés de ser.

Vejo a tarde que parte,
O frio que invade,
O tempo que bate em minha porta
Apressando o Tudo a se findar.

Os seus olhos veem aquilo que eles querem ver
Eles mal enxergam o mundo, inclusive a você.



Guarde a última lágrima

Se eu chorar
guarde a última lágrima,
junte meus cacos,
pois no envolto do seus braços encontro paz.

Se eu chamar-te
ignore-me a palavra
e o meu pedido de socorro
não seja agradável aos teus ouvidos.

Porque eu te quero
e, após algum tempo, deixo de te querer.
Porque és abrigo e tormenta.
Porque estou ao teu lado e não posso te ter.